FALAR...POR FALAR
... com sons e imagens... mas também silêncios, se fará esta conversa ... sempre ao sabor das palavras ...
21 de Agosto de 2016

Na chamada silly season há alguns fenómenos recorrentes (para além dos incêndios) que eu nunca consegui entender.

 

Primeiro - os inúmeros festivais que se multiplicam como cogumelos pelo país fora. Parece não haver terrinha que se preze que não tenha o seu festivalzinho ou festivalzão. Qualquer tema serve, ou mesmo não havendo tema. Desde que não faltem outras coisas...

Que os organizem até não me espanta: é negócio. O que sempre me espantou foi a afluência aos ditos!

Porque nalguns deles a entrada não é gratuita. E, ao longo de todos estes anos de crise (?), nunca os ditos festivais (mas também os concertos realizados ao longo do ano, com pavilhões esgotados) estiveram às moscas.

Donde vinha o dinheiro? Como é que em anos onde não havia dinheiro para comer, para pagar as prestações da casa, o cartão de crédito e outras coisas mais, pais e filhos tinham dinheiro para isto?

E, depois, parece não interessar muito as condições em que decorrem: fica tudo mal da barriga? – ninguém imagina do que poderá ser (o cartoon de Henrique Monteiro, hoje no Sapo, está demais); os carros ficam feitos em churrasco? – que importa? o que interessa é que os donos foram ao festival !; morrem por excesso de droga? ah, mas é tudo tão cool, tão zen e tão alternativo…

 

Segundo - outro fenómeno não menos inexplicável são os milhares de euros gastos pelos municípios em festividades gratuitas. São centenas de milhar de euros em cachets a artistas que são contratados para entreter o pagode que não paga nada!

Como é que as Câmaras se podem dar ao luxo de esbanjar assim o dinheiro, quando deveriam aproveitá-lo para investir noutros sectores?

Eu não digo que não promovessem essas festas, mas, ao menos, cobrassem entradas, mesmo que a um preço módico. Sempre entrava algum dinheiro para os cofres dos municípios.

Se estão assim tão bem de finanças porque é que nos aumentam o IMI? O nosso rico dinheirinho vai então para isto?

 

É preciso fixar gente no interior, promover a natalidade, desenvolver a agricultura e as indústrias, fazer saneamento básico, arranjar escolas, centros de saúde, investir em bibliotecas, publicações, etc, etc. São os festivais e as festas que atraem gente de modo permanente para esses concelhos? Claro que não!

Veja-se que até os refugiados que (teoricamente…) não têm onde cair mortos, fogem a sete pés dos lugares onde os colocaram. (Será que contratando mais um cantor pimba eles ficariam satisfeitos e não iriam embora?) Se eles não querem lá ficar, imaginem os naturais…

 

Portanto, do panis et circensis (pão e circo) romanos, actualmente, parece apenas ter restado o circo…

E pronto, estes são alguns dos mistérios para os quais ainda não encontrei respostas.

Festivais-Musica.jpg

(imagem tirada da internet) 

publicado por Til às 12:29 link do post
Playlist
O tempo em Lisboa
arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

25 de abril

alemanha conradin kreutzer viagens

alentejo solidão planície paisagem cante

ambiente

amor

annecy

ano novo

ano novo verdi la traviata libiamo

arte filme untitled pierre bourdieu

auschwitz gideon klein fotografia viagen

azulejos

barcelona m. caballé f. mercury picasso

bares

bergen hansa grieg fotografia

berlim muro de berlim viagens fotografia

bienal do mercosul porto alegre

boas festas natal

brasil

brasília niemeyer c.a. naves bossa nova

bruckner

budapeste hungria viagens

buenos aires

câmara de lisboa

carnaval portugês

castelo da lousã ermidas de nossa senhor

castelo rodrigo

castelos castelo de porto de mós

chopin

cidades

clima tropical

colónia do sacramento

concertos

copa do mundo 2014

copenhaga dietrich buxtehude fotografia

copenhaga museus arte contemporânea foto

copenhaga viagens carl nielsen

coqueiros

cozinha contemporânea viagens

crise impostos

cruzeiro

direitos dos cidadãos

e-fatura; deduções no irs

elektra's death dance

entrudo

escandinávia

estado de santa catarina brasil neve

facturas

festas

festas juninas

festivais

festival da canção 2017

florença

fome políticos györgy kurtag

fotografia

foz do iguaçú cataratas animais natureza

francesco de milano

gastronomia

gatos cats b. streisand a.l.weber fotogr

globos de ouro 2012 vestidos

globos de ouro da sic 2016

granada alhambra generalife fotografia

guimarães

helsínquia a.aalto arte nova fotografia

helsínquia design sibelius k.mattila fot

helsínquia t.turunen r.sirkiä la traviat

holanda grande dique within temptation v

holmenkollen

humor

imperador adriano yourcenar memórias moz

incerteza

interferência de aparelhos electrónicos

jacaré-de-papo-amarelo manguezal florian

kloster eberbach cistercienses alemanha

laguna anita garibaldi marco de tordesil

leeds h.moore corinne b.rae fotografia

leis

lisboa fotografia viagens

liubljana viagens fotografia janez biten

liubljana viagens jacobus gallus fotogra

londres fotografia academy of st. martin

lopes morgado tema de lara

lucian freud david lawson masp

luz

mainz bach fotografia viagens

mainz gutenberg telemann fotografia viag

mainz igrejas händel fotografia viagens

malbork polónia micolaj z radomia fotogr

mar

masp fotobienalmasp são paulo

milão

minas gerais artesanato música sertaneja

mont saint michel

morro do careca

mosteiro de tibães barroco românico

museus fotografia ralph vaughan williams

música

música francesa

música italiana

são luís do maranhão

viagens

todas as tags