FALAR...POR FALAR
... com sons e imagens... mas também silêncios, se fará esta conversa ... sempre ao sabor das palavras ...
15 de Junho de 2012

Ontem, num noticiário da tv, tive conhecimento de um evento que reunia, num restaurante do norte do país, seis cozinheiros famosos, chefes de cozinha em restaurantes galardoados com estrelas Michelin.

Apareceram ainda as imagens da preparação dos “manjares” do menu de degustação pelo qual se pagava 150 euros.

Os pratos, constituídos por verdadeiras miniaturas de alimentos (um pedacinho que me pareceu ser de peixe, acompanhado por uma estreita tira de qualquer outra coisa, enfeitado com vários pingos de um molho, artisticamente dispostos.

Um outro, que creio ser uma sobremesa (será?), era constituído por uma longa “pincelada” cor-de-rosa, com várias outras miniaturas que não pude reconhecer e 1 cereja!

Entretanto, ajudantes de cozinha afadigavam-se a colocar em pé "penachos" de coisas desconhecidas e a encher umas pequenas cornucópias com minúsculas coisinhas e pequeninas colheradas de qualquer outra coisa.

 

De facto, todos os pratos eram um regalo para os olhos!

E, como «os olhos também comem», o objectivo foi atingido!

O problema destas modalidades culinárias (nouvelle cuisine, cozinha de fusão, cozinha de autor, etc. ou qualquer outro nome que lhe chamem) é que, efectivamente, só os olhos é que comem…

 

Isso fez-me recordar que também andei por aí, isto é, também achei que devia experimentar a cozinha contemporânea e… foi para esquecer!

Já me sucedera no Grand Café em Oslo: lindo, requintado, música de piano ao vivo, caríssimo.

No prato, um minúsculo pedacinho de carne com um molho indecifrável e uma trufa e quase sem sabor.

A conta foi bem maior do que a refeição.

 

Grand Cafe, Oslo

 

Houve depois outros jantares parecidos, mas a minha coroa de glória foi em Amesterdão, no Reflet, um dos mais bonitos restaurantes que já vi.

Eu conto: para a minha estada em Amesterdão escolhi o Grand Hotel Krasnapolsky, de cinco estrelas, recomendado especialmente por guias como o American Express e outros (qualquer dia falo dele).

Situado no centro da cidade, em plena Dam, tinha ainda o aliciante, de acordo com as informações, quer escritas quer disponíveis na net, de ter «os melhores restaurantes de hotel de Amesterdão», um dos quais era o Reflet. E não resisti.

 

Reflet, Amesterdão

A sala era maravilhosa e os pratos que passavam, para clientes já sentados noutras mesas, eram verdadeiras obras de arte!

Escolhi um prato, com um nome compridíssimo, mas que se resume a isto: salmão em cama de mousse de abacate, folhas de noz-moscada e lagostim.
Esperei ansiosamente e lá chegou o meu prato: sobre uma fina cama de uma mousse verde, repousava uma pequenina posta de peixe, sobre a qual se aninhava um minúsculo lagostim com a sua respectiva casca e umas folhas transparentes de noz-moscada. Tudo encimado por um penacho verde de qualquer erva aromática.
Lindo!

 

Comecei a comer quase com pena de desmanchar o prato e… não sabia absolutamente a NADA! Mas, mesmo a NADA!

O salmão não sabia a salmão (e todos sabemos como o sabor do salmão é forte), o lagostim idem, a mousse também não sabia a nada e as folhas de noz-moscada também não.

Concluí, portanto, que se tivesse bebido um copo de água em vez de ter pedido aquele prato, teria sido a mesma coisa!

 

A partir desse dia, melhor dizendo, dessa noite, acabaram-se as degustações e a cozinha contemporânea!

Acho que a cozinha de autor é a suprema arte de conseguir retirar todo o sabor natural dos alimentos.

E não devo estar assim tão errada, porque, um dia destes, num semanário, um grande chef da moda dizia que já tinha feito uma feijoada que ninguém descobriu que era feijoada! Querem melhor confirmação do que eu disse atrás?

 

Portanto, agora, fujo de:


  1. Pratos com nome comprido – quanto mais comprido o nome menos saboroso é o prato;

  2. Restaurantes com estrelas, garfos de ouro e equivalentes – é bom saber quais são para não ir lá...

Curioso que, antes de escrever este post, fui ver, na net, o menu actual do Reflet.

Ou está abreviado ou, então, mudaram o tipo de cozinha...

Desapareceram os pratos com nomes enormes e estes parecem-me ser bem mais “normais”.

Se calhar não fui só eu a fartar-me da cozinha contemporânea…

 

Bom apetite!

 

publicado por Til às 10:46 link do post
Playlist
posts recentes

Cozinha contemporânea

O tempo em Lisboa
arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

25 de abril

alemanha conradin kreutzer viagens

alentejo solidão planície paisagem cante

ambiente

amor

annecy

ano novo

ano novo verdi la traviata libiamo

arte filme untitled pierre bourdieu

auschwitz gideon klein fotografia viagen

azulejos

barcelona m. caballé f. mercury picasso

bares

bergen hansa grieg fotografia

berlim muro de berlim viagens fotografia

bienal do mercosul porto alegre

boas festas natal

brasil

brasília niemeyer c.a. naves bossa nova

bruckner

budapeste hungria viagens

buenos aires

câmara de lisboa

carnaval portugês

castelo da lousã ermidas de nossa senhor

castelo rodrigo

castelos castelo de porto de mós

chopin

cidades

clima tropical

colónia do sacramento

concertos

copa do mundo 2014

copenhaga dietrich buxtehude fotografia

copenhaga museus arte contemporânea foto

copenhaga viagens carl nielsen

coqueiros

cozinha contemporânea viagens

crise impostos

cruzeiro

direitos dos cidadãos

e-fatura; deduções no irs

elektra's death dance

entrudo

escandinávia

estado de santa catarina brasil neve

facturas

festas

festas juninas

festivais

festival da canção 2017

florença

fome políticos györgy kurtag

fotografia

foz do iguaçú cataratas animais natureza

francesco de milano

gastronomia

gatos cats b. streisand a.l.weber fotogr

globos de ouro 2012 vestidos

globos de ouro da sic 2016

granada alhambra generalife fotografia

guimarães

helsínquia a.aalto arte nova fotografia

helsínquia design sibelius k.mattila fot

helsínquia t.turunen r.sirkiä la traviat

holanda grande dique within temptation v

holmenkollen

humor

imperador adriano yourcenar memórias moz

incerteza

interferência de aparelhos electrónicos

jacaré-de-papo-amarelo manguezal florian

kloster eberbach cistercienses alemanha

laguna anita garibaldi marco de tordesil

leeds h.moore corinne b.rae fotografia

leis

lisboa fotografia viagens

liubljana viagens fotografia janez biten

liubljana viagens jacobus gallus fotogra

londres fotografia academy of st. martin

lopes morgado tema de lara

lucian freud david lawson masp

luz

mainz bach fotografia viagens

mainz gutenberg telemann fotografia viag

mainz igrejas händel fotografia viagens

malbork polónia micolaj z radomia fotogr

mar

masp fotobienalmasp são paulo

milão

minas gerais artesanato música sertaneja

mont saint michel

morro do careca

mosteiro de tibães barroco românico

museus fotografia ralph vaughan williams

música

música francesa

música italiana

são luís do maranhão

viagens

todas as tags