FALAR...POR FALAR
... com sons e imagens... mas também silêncios, se fará esta conversa ... sempre ao sabor das palavras ...
07 de Novembro de 2014

Tem estado na ordem do dia a (pequena) redução do horário dos bares do Cais do Sodré e de outras zonas da cidade onde, desde há anos, hordas de desocupados não permitem que os moradores descansem as horas a que têm direito.

Claro, que aparecem logo os donos dos ditos bares a queixarem-se de que vão perder o ganho. Um ganho feito à custa da sonegação dos direitos de outros, dos que não recebem qualquer lucro do negócio: os cidadãos de Lisboa que não descansam.

Bares1.jpg

Imagem do jornal Público 

Todavia, o fenómeno está a espalhar-se como um polvo de múltiplos tentáculos pela cidade: a coberto do Licenciamento Zero (que não exige licença nenhuma e nem fiscalização nenhuma), qualquer um que arranje um espaço (mesmo que seja do tamanho da cabeça de um alfinete), que tenha um amigo arquitecto ou engenheiro que lhe faça o jeitinho de dizer que tem todas as condições, pode abrir um bar, em qualquer prédio ou rua da cidade, praticando um horário que pode ir até às 4 horas da manhã!

 

Sei do que falo, apesar de não morar nem no Bairro Alto, nem no Cais do Sodré, nem sequer em Santos, mas sim num bairro pacto e familiar, onde a praga também chegou.

 

Lisboa está a ficar cheia destes bares de vão-de-escada, sem capacidade de albergar nem sequer meia-dúzia de clientes e a quem vendem álcool, pela madrugada dentro, em garrafas de vidro que os clientes trazem para a rua (mesmo sendo proibido), porque, geralmente, não cabem nos bares. Clientes esses que deixam lixo, urina, pontas de cigarros e outras coisas mais, à porta de quem quer que seja, que vandalizam os carros e partem montras e que, sobretudo, impedem o descanso dos moradores que têm a pouca sorte de residir no lugar que alguns empresários-de-trazer-por-casa resolveram eleger para abrirem os seus bares.

Dirão: mas há leis antiruído (nacionais e europeias)! O direito ao descanso e bom ambiente até é um direito constitucional!

Pois é, na cidade de Lisboa, a edilidade permite todos os atropelos a estas leis.

 

Todavia, apressou-se a introduzir as directrizes comunitárias que inviabilizam que um cidadão cumpridor, mas sem dinheiro para carro novo, possa passear na cidade, por causa da eventual poluição que o seu carrinho antigo fará.

Mas, o que é poluição para a câmara de Lisboa? Só a poluição atmosférica? E o lixo espalhado pelas ruas da cidade frente a estes bares? E a poluição sonora dos bandos de desocupados que conversam em altas vozes frente aos lares de quem precisa de ir trabalhar de manhã e onde há, por vezes, doentes, idosos, crianças? Isso não é poluição?

 

Porque não mandam esses estabelecimentos para onde não viva gente, como nas Docas, onde, quem quiser,  se pode divertir longe de zonas residenciais?

Façam, num desses lugares, em vez de uma única rua rosa, um bairro todo rosa! E fiquem por lá.

Aos outros, deixem-nos descansar.

 

A edilidade, com a sua permissividade, está a tornar Lisboa uma cidade sem lei.

 

E, a propósito: quem se lembra ainda deste slogan do actual vereador do ambiente da câmara de Lisboa?

sa-fernandes-1.jpg

 

publicado por Til às 17:08 link do post
Playlist
posts recentes

Lisboa, cidade sem lei?

O tempo em Lisboa
arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

25 de abril

alemanha conradin kreutzer viagens

alentejo solidão planície paisagem cante

ambiente

amor

annecy

ano novo

ano novo verdi la traviata libiamo

arte filme untitled pierre bourdieu

auschwitz gideon klein fotografia viagen

azulejos

barcelona m. caballé f. mercury picasso

bares

bergen hansa grieg fotografia

berlim muro de berlim viagens fotografia

bienal do mercosul porto alegre

boas festas natal

brasil

brasília niemeyer c.a. naves bossa nova

bruckner

budapeste hungria viagens

buenos aires

câmara de lisboa

carnaval portugês

castelo da lousã ermidas de nossa senhor

castelo rodrigo

castelos castelo de porto de mós

chopin

cidades

clima tropical

colónia do sacramento

concertos

copa do mundo 2014

copenhaga dietrich buxtehude fotografia

copenhaga museus arte contemporânea foto

copenhaga viagens carl nielsen

coqueiros

cozinha contemporânea viagens

crise impostos

cruzeiro

direitos dos cidadãos

e-fatura; deduções no irs

elektra's death dance

entrudo

escandinávia

estado de santa catarina brasil neve

facturas

festas

festas juninas

festivais

festival da canção 2017

florença

fome políticos györgy kurtag

fotografia

foz do iguaçú cataratas animais natureza

francesco de milano

gastronomia

gatos cats b. streisand a.l.weber fotogr

globos de ouro 2012 vestidos

globos de ouro da sic 2016

granada alhambra generalife fotografia

guimarães

helsínquia a.aalto arte nova fotografia

helsínquia design sibelius k.mattila fot

helsínquia t.turunen r.sirkiä la traviat

holanda grande dique within temptation v

holmenkollen

humor

imperador adriano yourcenar memórias moz

incerteza

interferência de aparelhos electrónicos

jacaré-de-papo-amarelo manguezal florian

kloster eberbach cistercienses alemanha

laguna anita garibaldi marco de tordesil

leeds h.moore corinne b.rae fotografia

leis

lisboa fotografia viagens

liubljana viagens fotografia janez biten

liubljana viagens jacobus gallus fotogra

londres fotografia academy of st. martin

lopes morgado tema de lara

lucian freud david lawson masp

luz

mainz bach fotografia viagens

mainz gutenberg telemann fotografia viag

mainz igrejas händel fotografia viagens

malbork polónia micolaj z radomia fotogr

mar

masp fotobienalmasp são paulo

milão

minas gerais artesanato música sertaneja

mont saint michel

morro do careca

mosteiro de tibães barroco românico

museus fotografia ralph vaughan williams

música

música francesa

música italiana

são luís do maranhão

viagens

todas as tags