FALAR...POR FALAR
... com sons e imagens... mas também silêncios, se fará esta conversa ... sempre ao sabor das palavras ...
14 de Fevereiro de 2017

Há muito que desejava conhecer São Luís do Maranhão, cujo centro histórico foi classificado pela UNESCO, em 1997, como Património Cultural da Humanidade. As imagens a que tive acesso revelavam uma bonita cidade, cujas edificações, revestidas de azulejos, trepavam pelas ladeiras tão portuguesas.

De facto, na época da candidatura, o Centro Histórico da cidade localizada na ilha de São Luís do Maranhão, na baía de São Marcos, era um excepcional exemplo de cidade colonial portuguesa adaptada às condições climáticas da América do Sul equatorial.

Segundo relatos de pessoas que visitaram São Luís, em 1997, a cidade era um mimo, com os palácios, as igrejas e as casas restauradas e pintadas e as ruas limpas.

Era essa a imagem que levava nos olhos quando, na semana passada, vinte anos depois da classificação da UNESCO, cheguei a São Luís do Maranhão. A isso se somava a presença tutelar do Padre António Vieira que ali viveu e onde pregou o célebre Sermão de Santo António aos Peixes.

01_Sao_Luis__MA__Bento_Viana_56.jpg

                                              Foto retirada da página do IPHAN 

 

Apesar de D. João III ter dividido a região do Maranhão em duas capitanias hereditárias, que entregou a Aires da Cunha e Fernando Álvares de Andrade, no ano de 1535, a presença portuguesa não se tornou efectiva e, assim, em 1612, os Franceses invadiram a região e ali construíram um forte – forte de São Luís, na confluência dos rios Bacanga e Anil. Foi esse forte que se tornou o núcleo original da cidade.

Porém, em 1615, os Portugueses, comandados por Jerónimo Albuquerque, expulsaram-nos após a batalha de Guaxenduba. O forte, rebaptizado com o nome de forte de São Filipe, foi reconstruído segundo desenhos do engenheiro militar português, Francisco Frias de Mesquita, que desenhou, igualmente, o plano urbanístico da cidade, plano esse de base geométrica regular (antecedendo em mais de um século o traçado regular da Baixa pombalina) e em contraste absoluto não só com a tradição urbanística portuguesa metropolitana, de ruas estreitas e sinuosas, mas também com os planos urbanísticos portugueses do Rio de Janeiro, de Recife e de Olinda.

Johannes_Vingboons_-_Maragnon_in_Zuid_America_ten_

Em 1641, a cidade foi ocupada pelos holandeses que foram expulsos, três anos depois, pelos portugueses. Mas, foi apenas, a partir de 1750, com as reformas pombalinas, que São Luís se desenvolveu.

O desenvolvimento económico refletiu-se no urbanismo. A partir do último quartel do século XVIII, as casas até então construídas com materiais precários (taipas, palha) foram, progressivamente, substituídas por casas construídas em alvenaria, cuja argamassa era ligada com cal de sarnambi e óleo de peixe.

No dossier de candidatura de São Luís a Património Mundial o IPHAN escreveu:

 

«As mais belas moradias têm sua estrutura (pilares, enquadramento das portas e janelas) em calcário (lioz) importado de Portugal. Toda essa arquitetura tem inspiração portuguesa: forma das cornijas, utilização das telhas, telhados com telhas canal, balcões.

Contudo, essa arquitetura portuguesa foi objeto de sutil releitura para permitir sua adaptação aos rigores do clima equatorial, e é aí que reside a originalidade de São Luís. Em uma região onde a menor brisa é bem-vinda, tudo parece ter sido concebido para assegurar a ventilação das casas: o pé-direito sempre alto, atingindo algumas vezes cinco metros; os telhados em ”espinha de peixe“ que deixam o ar circular; as cancelas, grades que substituem as portas e, sobretudo, as varandas e os mirantes.

As varandas no fundo das casas, em madeira, frequentemente profundas (são verdadeiras peças em vez de corredores) com cerca de três metros, equipadas com um tipo de persianas vazadas, com painéis móveis de madeira (avarandadas de rótula), que permitem regular a luz e a aeração.

Os mirantes, provavelmente herança das sentinelas medievais, são peças quadradas abertas de todos os lados no topo dos telhados. Criam uma corrente de ar no centro da casa, e são eles próprios peças muito agradáveis.

Para lutar contra o grande inimigo que é a umidade equatorial, que ataca sem trégua os revestimentos externos das paredes, os moradores de São Luís tiveram a ideia, pois tudo leva a crer que foram eles os primeiros a ornar com azulejos a fachada de suas casas. O azulejo, este belo quadrado em faiança pintado, reservado até então à decoração interna, se revelou um admirável isolante térmico e um eficaz protetor contra a umidade.

sacadas-centro-historico-sao-luis-ma.jpg

                                                        Imagem tirada da net 

O exemplo foi rapidamente copiado pelos moradores das cidades do Porto e de Lisboa, mas foi em São Luís e na capital vizinha da Amazônia, Belém do Para, que essa utilização dos azulejos é a mais lógica. As residências edificadas em lotes estreitos e longos têm frequentemente uma planta em L, com um corpo principal na fachada e um corredor-cozinha ladeando um pátio interno. É sobre esse corredor, que nos sobrados se encontra a varanda.»

 

Na segunda metade do século XIX era já perceptível uma certa decadência económica da cidade, mas, aparentemente, ela permanecia igual e até próspera: São Luís foi a primeira cidade do Norte do Brasil a dispor de bondes (inicialmente de tração animal), de iluminação pública a gás (1863,) de uma companhia de águas (1871, e de uma companhia telefónica (1890).

No último quartel do século XIX, uma tentativa de industrialização traduziu-se na criação de uma dezena de fábricas de têxteis. Contudo, a abolição da escravatura, em 1888, revelou-se um rude golpe numa economia de base esclavagista.

 

No próximo post falarei de como é, hoje, São Luís do Maranhão.

                                                                            

publicado por Til às 17:19 link do post
Playlist
O tempo em Lisboa
arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

25 de abril

alemanha conradin kreutzer viagens

alentejo solidão planície paisagem cante

ambiente

amor

annecy

ano novo

ano novo verdi la traviata libiamo

arte filme untitled pierre bourdieu

auschwitz gideon klein fotografia viagen

azulejos

barcelona m. caballé f. mercury picasso

bares

bergen hansa grieg fotografia

berlim muro de berlim viagens fotografia

bienal do mercosul porto alegre

boas festas natal

brasil

brasília niemeyer c.a. naves bossa nova

bruckner

budapeste hungria viagens

buenos aires

câmara de lisboa

carnaval portugês

castelo da lousã ermidas de nossa senhor

castelo rodrigo

castelos castelo de porto de mós

chopin

cidades

clima tropical

colónia do sacramento

concertos

copa do mundo 2014

copenhaga dietrich buxtehude fotografia

copenhaga museus arte contemporânea foto

copenhaga viagens carl nielsen

coqueiros

cozinha contemporânea viagens

crise impostos

cruzeiro

direitos dos cidadãos

e-fatura; deduções no irs

elektra's death dance

entrudo

escandinávia

estado de santa catarina brasil neve

facturas

festas

festas juninas

festivais

festival da canção 2017

florença

fome políticos györgy kurtag

fotografia

foz do iguaçú cataratas animais natureza

francesco de milano

gastronomia

gatos cats b. streisand a.l.weber fotogr

globos de ouro 2012 vestidos

globos de ouro da sic 2016

granada alhambra generalife fotografia

guimarães

helsínquia a.aalto arte nova fotografia

helsínquia design sibelius k.mattila fot

helsínquia t.turunen r.sirkiä la traviat

holanda grande dique within temptation v

holmenkollen

humor

imperador adriano yourcenar memórias moz

incerteza

interferência de aparelhos electrónicos

jacaré-de-papo-amarelo manguezal florian

kloster eberbach cistercienses alemanha

laguna anita garibaldi marco de tordesil

leeds h.moore corinne b.rae fotografia

leis

lisboa fotografia viagens

liubljana viagens fotografia janez biten

liubljana viagens jacobus gallus fotogra

londres fotografia academy of st. martin

lopes morgado tema de lara

lucian freud david lawson masp

luz

mainz bach fotografia viagens

mainz gutenberg telemann fotografia viag

mainz igrejas händel fotografia viagens

malbork polónia micolaj z radomia fotogr

mar

masp fotobienalmasp são paulo

milão

minas gerais artesanato música sertaneja

mont saint michel

morro do careca

mosteiro de tibães barroco românico

museus fotografia ralph vaughan williams

música

música francesa

música italiana

são luís do maranhão

viagens

todas as tags