FALAR...POR FALAR
... com sons e imagens... mas também silêncios, se fará esta conversa ... sempre ao sabor das palavras ...
02 de Outubro de 2012

As viagens também trazem imprevistos e nem sempre tudo corre totalmente bem.

 

Lembro-me de em viagem de carro pela Alemanha, depois de muitos quilómetros andados e ainda longe de Freiburg, ter-se decidido pernoitar numa encantadora Gasthof situada à beira da estrada.

 

(A foto não é minha.
A Gasthof de que falo era parecida com esta)

 

A casa de família, adaptada para receber alguns hóspedes, com a casa de jantar no rés-do-chão, decorada no típico estilo rural da Alemanha do sul, onde a robusta dona-de-casa serviu um bom Abendbrot com várias espécies de pão, carnes frias e queijos e os quartos no piso superior, parecia um paraíso.

 

Quarto espaçoso e com uma grande janela por onde entrava o Sol.

Era Agosto e, nesse ano, fazia imenso calor.

A cama, com lençol limpíssimo, tinha sobre ela, à moda dos países do Norte, um gordo edredão...

 

Claro que perante isso tenho sempre a minha solução de recurso: tiro o edredão de dentro da capa do dito e cubro-me com esta como se fosse um lençol.

Portanto, nada que não se resolvesse.

 

A casa de banho, comum a todo o andar, antiga e pequena, tornara-se ainda mais pequena porque lhe tinham colocado uma cabine de banho para os duches.

E era tão difícil entrar pela abertura da dita, como mexermo-nos lá dentro daquele paralelipípedo envidraçado.

Mas, depois de tantas horas de carro, o duche foi divino!

 

Enfim, limpos e com o estômago aconchegado, chegara a hora de dormir.

Enquanto foi dia, o barulho das vozes dentro de casa, sobretudo das crianças da família, a azáfama da refeição e dos banhos, não permitiram ter noção de qualquer outra coisa, mas depois, com a casa em silêncio, tudo mudou.

 

Fechada a grande janela, como durante todo o dia o sol entrara por ali sem entraves, o quarto parecia um forno, mesmo depois de esventrado o edredão. Era impossível pregar olho.

Nada mais fácil: abre-se a janela e dorme-se sobre a cama sem qualquer cobertura. E assim se fez.

 

Então, começou o suplício: a bonita casa de hóspedes situava-se de facto à beira da estrada que levava a Freiburg e que era percorrida, toda a noite, por grandes camiões que faziam imenso barulho.

Por outro lado, a linha férrea passava perto e, os combóios rápidos, mesmo que não parassem, apitavam perto da estação. E foram tantos!

E, como cereja no topo do bolo, o sino da torre da igreja tocava a todas as horas, todas as meias horas e todos os quartos de hora!

 

Claro que havia meio de fugir a tudo isto: bastava fechar a janela, com boas vidraças duplas que abafavam todos estes ruídos...

... mas aí, era o mesmo que grelhar dentro de um forno!

 

E foi assim que uma casinha de conto de fadas, plantada à beira da estrada, se transformou num verdadeiro martírio.

 

No outro dia, porém, Freiburg fez esquecer o tormento da noite anterior.

 

A música de um compositor alemão nascido no Baden: 

 

Conradin Kreutzer - Septet in E flat Op. 62, Adagio-Alegro
publicado por Til às 09:12 link do post
Playlist
posts recentes

A caminho de Freiburg

O tempo em Lisboa
arquivos
pesquisar neste blog
 
tags

25 de abril

alemanha conradin kreutzer viagens

alentejo solidão planície paisagem cante

ambiente

amor

annecy

ano novo

ano novo verdi la traviata libiamo

arte filme untitled pierre bourdieu

auschwitz gideon klein fotografia viagen

azulejos

barcelona m. caballé f. mercury picasso

bares

bergen hansa grieg fotografia

berlim muro de berlim viagens fotografia

bienal do mercosul porto alegre

boas festas natal

brasil

brasília niemeyer c.a. naves bossa nova

bruckner

budapeste hungria viagens

buenos aires

câmara de lisboa

carnaval portugês

castelo da lousã ermidas de nossa senhor

castelo rodrigo

castelos castelo de porto de mós

chopin

cidades

clima tropical

colónia do sacramento

concertos

copa do mundo 2014

copenhaga dietrich buxtehude fotografia

copenhaga museus arte contemporânea foto

copenhaga viagens carl nielsen

coqueiros

cozinha contemporânea viagens

crise impostos

cruzeiro

direitos dos cidadãos

e-fatura; deduções no irs

elektra's death dance

entrudo

escandinávia

estado de santa catarina brasil neve

facturas

festas

festas juninas

festivais

festival da canção 2017

florença

fome políticos györgy kurtag

fotografia

foz do iguaçú cataratas animais natureza

francesco de milano

gastronomia

gatos cats b. streisand a.l.weber fotogr

globos de ouro 2012 vestidos

globos de ouro da sic 2016

granada alhambra generalife fotografia

guimarães

helsínquia a.aalto arte nova fotografia

helsínquia design sibelius k.mattila fot

helsínquia t.turunen r.sirkiä la traviat

holanda grande dique within temptation v

holmenkollen

humor

imperador adriano yourcenar memórias moz

incerteza

interferência de aparelhos electrónicos

jacaré-de-papo-amarelo manguezal florian

kloster eberbach cistercienses alemanha

laguna anita garibaldi marco de tordesil

leeds h.moore corinne b.rae fotografia

leis

lisboa fotografia viagens

liubljana viagens fotografia janez biten

liubljana viagens jacobus gallus fotogra

londres fotografia academy of st. martin

lopes morgado tema de lara

lucian freud david lawson masp

luz

mainz bach fotografia viagens

mainz gutenberg telemann fotografia viag

mainz igrejas händel fotografia viagens

malbork polónia micolaj z radomia fotogr

mar

masp fotobienalmasp são paulo

milão

minas gerais artesanato música sertaneja

mont saint michel

morro do careca

mosteiro de tibães barroco românico

museus fotografia ralph vaughan williams

música

música francesa

música italiana

são luís do maranhão

viagens

todas as tags